reajuste salarial para bombeiros e policiais militares e civis do DF foi aprovado, nesta segunda-feira (21), na Câmara Federal. O texto da Medida Provisória nº 971/2020 será encaminhado ao Senado nesta terça-feira (22).

Foi uma corrida contra o tempo para o relator da MP, deputado federal Luis Miranda (DEM/DF). Nas últimas semanas o parlamentar se reuniu com todas as frentes envolvidas no debate, além dos governos federal e do DF. O texto prevê os percentuais da recomposição salarial retroativa a janeiro deste ano para os agentes de segurança. A estimativa é de que o impacto da recomposição salarial neste ano fique um pouco mais de R$ 519 milhões.

De acordo com o texto da MP, será concedido o reajuste de 25% para policiais militares e bombeiros na Vantagem Pecuniária Especial (VPE) e o reajuste de 8% para todos os cargos da Polícia Civil.

Em suas redes sociais, o Secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, destacou a importância da aprovação da MP para as carreiras policiais do DF.

“Com o empenho do relator e dos demais deputados, que entenderam a importância desse pleito para a segurança pública do DF, a medida foi aprovada sem emendas. Essa é uma vitória do governo, da segurança pública e principalmente da sociedade do DF. Agradeço ao governador Ibaneis Rocha por nos dar todo o suporte para que isso acontecesse”, ressaltou o secretário

Leia Também:  Justiça concede prisão domiciliar a assassino cruel

Há sete anos sem reajuste salarial, o relator da MP, deputado Luís Miranda (DEM), destacou que a aprovação não corresponde a um aumento salarial para a categoria, mas sim uma recomposição.

A Medida Provisória também corrige em 25% a tabela da VPE devida a PMs e bombeiros da ativa, inativos e pensionistas do antigos territórios de Amapá, Rondônia e Roraima.

Antes do início da votação, a bancada do Novo protocolou Requerimento solicitando a retirada de pauta da MP 971. Mas 364 parlamentares votaram contra a retirada, e apenas 23 favoráveis. O partido ainda tentou a votação artigo por artigo, ação também rejeitada.

Em meio a críticas por causa do objetivo da proposta durante uma pandemia, o relator explica: “É bom que se tenha em mente que não estamos falando em reajuste salarial. Essas categorias tiveram, na verdade, perdas inflacionárias de aproximadamente 60% nos últimos anos. O que estamos fazendo é corrigir uma injustiça e evitando na verdade uma redução na remuneração”, explica o relator. “Ignorar isso seria desvalorizar guerreiros que estão na luta diariamente, principalmente agora diante da Covid”, complementa.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Simone Leite

Simone Leite atuou como repórter, produtora de TV, assessora de imprensa e editora de notícias. Há nove anos, atua diretamente na política, área que se diz apaixonada!