Quem procurou pelo conteúdo de Sara Giromini, mais conhecida como Sara Winter, nas redes sociais não conseguiu encontrar nada em seus canais oficiais. A ativista sofreu dura penalização por ter exposto dados da criança violentada no ES.

A Justiça do Espírito Santo havia determinado que as redes sociais derrubassem as publicações onde Sara publicava dados da menina. A criança, de apenas 10 anos, foi estuprada e a Justiça determinou que fosse realizada a interrupção da gravidez.

Sob argumento de ser anti-aborto, Sara divulgou dados privados e sigilosos, o que levou um grupo de manifestantes para a porta do hospital onde a criança estava internada, em Pernambuco.

Com a determinação da Justiça, as publicações que violam a lei foram excluídas. No entanto, internautas observaram também que os perfis da militante estão fora do ar. Nem no Instagram, nem no Youtube, é possível encontrar a usuária.

Leia Também:  Categoria cobra promessas de campanha de Ibaneis

De acordo com apuração do Tilt, no portal Uol, no Instagram, a exclusão não partiu da rede social. Se for confirmado, ou a própria Sara Winter removeu os perfis, ou foram alvo de ataque. Já no Youtube, a decisão parece ter sido do Google.

Sara esta solta sob uso de tornozeleira eletrônica e segue sendo investigada no inquérito das Fake News. A militante pode voltar a ser presa por ter divulgado dados da menina, vítima de estupro. Apesar das suspensões, ela segue ativa nas redes sociais e não comentou nada sobre o assunto.

vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Simone Leite

Simone Leite atuou como repórter, produtora de TV, assessora de imprensa e editora de notícias. Há dez anos, atua diretamente na política, área que se diz apaixonada!