Após o prudente cancelamento da concessão do Maracanã pelo Governo do Estado do RJ, retirando o icônico estádio das mãos da inadimplente Odebrecht, um processo “nebuloso” se formou: em menos de uma semana, três versões de edital foram confeccionadas pela comissão constituída pelo Governador.

A última versão (do dia 02/03/19), sequer publicada no site do governo e apenas enviada às empresas que tinham conhecimento do processo de contratação emergencial, alterou substancialmente as regras do “jogo” em menos de 48 horas para o fim do prazo já exíguo de apresentação das propostas.

Leia Também:  Hélio José no Peru

Nesse momento, o processo de contratação pública sofreu uma “reviravolta”, assemelhada a uma virada aos 44 minutos do segundo tempo em uma partida de futebol.

Tal episódio não é digno de aplauso da torcida, assim como ocorre num estádio.

Processos públicos de contratação devem zelar pela transparência e segurança jurídica.

A última alteração retirou requisitos de habilitação financeira prudenciais, fazendo com que o edital se encaixasse como uma luva ao clube do Flamengo, abrindo um caminho de possíveis danos financeiros ao já falido estado do Rio.

Alô representantes dos órgãos de controle…atenção!!!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Odir Ribeiro

Odir Ribeiro é jornalista, blogueiro e multimídia que desde 2011 cobre os bastidores da política do DF.
Fechar Menu