Os moradores de regiões administrativas vivem uma espécie de “coito interrompido” toda vez que a política faz um governador mudar o administrador regional.

Sendo ruim (maioria das vezes) ou bom, quando o GDF precisa dialogar com a Câmara Legislativa, é o administrador que será sacrificado.

Caso o administrador esteja tocando projetos nas cidades, nem adianta reclamar, se aquela cidade virou moeda, sua cabeça está a prêmio.

Será assim até quando?

Deixe uma resposta

Odir Ribeiro

Odir Ribeiro é jornalista, blogueiro e multimídia que desde 2011 cobre os bastidores da política do DF.