Plano de Vacinação detalhado

Em reunião com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), nesta quinta-feira (14), a Secretaria de Saúde detalhou o Plano Estratégico e Operacional da Vacinação contra a Covid-19. A data provável para o começo da vacinação em todo o país, e no DF, é a próxima quarta-feira (20).

A data depende de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar o uso emergencial das vacinas Coronovac e Astrazeneca. A decisão da Anvisa sai no domingo (17).

De acordo com o secretário da pasta local, Osnei Okumoto, a capital federal segue o cronograma do Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, com critérios estabelecidos de prioridade.

“A disponibilidade da vacina é do governo federal para as secretarias dos estados. Então, temos que seguir o plano para fazer essa disponibilização”, afirma.

Segundo o plano estratégico, a secretaria usará a estrutura das salas de vacinas, da rede de frio e das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para viabilizar a imunização na capital. Ainda não se sabe quantas doses da vacina serão destinadas ao DF.

A pasta estima vacinar 604,8 mil pessoas nas primeiras três fases da imunização no DF. De acordo com o plano, primeiro, serão vacinados apenas três grupos:

  • Trabalhadores da saúde, idosos a partir dos 75 anos e pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas);
  • Pessoas de 60 a 74 anos;
  • Pessoas com as seguintes comorbidades: diabetes mellitus, hipertensão arterial grave, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, indivíduos transplantados de órgão sólido, anemia falciforme, câncer e obesidade grave.

Segundo o documento, não devem receber a vacina nas fases iniciais:

  • Pessoas menores de 18 anos de idade;
  • Gestantes;
  • Pessoas que já apresentaram uma reação anafilática confirmada a uma dose anterior de uma vacina Covid-19;
  • Pessoas que apresentaram uma reação anafilática confirmada a qualquer componente da(s) vacina(s).

O subsecretário de Vigilância à Saúde do DF, Divino Valero, afirma que “independente do quantitativo das vacinas”, a secretaria já tem a força de trabalho e a capacidade para operacionalizá-la, de acordo com a demanda que surgir. A SES-DF afirma ainda que as contraindicações também estão previstas no plano do Ministério da Saúde. De acordo com o documento, “os grupos [prioritários] previstos são preliminares, passíveis de alteração a depender das indicações da vacina após aprovação da Anvisa, assim como as possíveis contraindicações”.