Por Simone Leite

A turbulência política que o país enfrenta, em meio a uma pandemia que traz sérias consequências para a economia, tem estimulado debates sobre um eventual processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Mas há ou não condições para que essa ideia prospere? Não há.

Fatores para um processo de impeachment

A abertura de um processo de impeachment conjecturam uma combinação de fatores. O principal fundamento para que se dê início ao processo é uma crise institucional e de confiança entre Executivo e Legislativo. Esse era o quadro nos governos Collor (1992) e Dilma (2016). No caso da ex-presidente, o cenário era agravado por um nível de atrito elevado com o então presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Apesar da troca de farpas entre Bolsonaro e o Congresso, não há uma crise estabelecida. Bolsonaro dialoga bem com algumas bancadas suprapartidárias, como a ruralista, a evangélica e a da bala. Além disso, o atual presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem mantido uma postura muito mais institucional do que Cunha na era Dilma.Também é preciso que haja um crime.

No caso de Collor, o escândalo de corrupção materializou-se no Fiat Elba. No caso de Dilma, as chamadas “pedaladas fiscais” é que motivaram a denúncia por crime de responsabilidade. Mas a dimensão dada ao fato em si também depende da relação política do governo com o Parlamento. Há mais rigor quando esse relacionamento é conflituoso.

Leia Também:  Eleições indo ladeira abaixo

No caso de Lula (2005), por exemplo, mesmo após seu marqueteiro, Duda Mendonça, admitir, no âmbito das investigações do Mensalão, que seus serviços foram pagos pelo PT com recursos do exterior — o que é crime
pela lei eleitoral — os parlamentares não abriram processo contra o presidente. Na gestão Temer, nem mesmo o episódio Joesley Batista foi suficiente.

Há outros elementos que alimentam um ambiente pró-impeachment: o nível de popularidade apresentado pelo presidente e o desempenho da economia. Bolsonaro preserva um bom apoio popular, 32% de “ótimo/bom”, de acordo com pesquisa CNT/MDA, quanto à economia, tudo depende de como o governo reagirá para contornar os efeitos da crise, em especial na questão do desemprego.

Hoje não há — até mesmo por conta do isolamento social adotado como prevenção à disseminação do novo coronavírus — ações coordenadas pedindo a saída de Bolsonaro. O aumento do contingente de desempregados pode até ajudar a criar um ambiente social hostil mais à frente contra o presidente. Mas, de novo, isso dependerá das respostas que o governo der à crise.

Bolsonaro não deve cair: ele dialoga muito bem com as bancadas ruralista, evangélica e da bala.

vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Simone Leite

Simone Leite atuou como repórter, produtora de TV, assessora de imprensa e editora de notícias. Há nove anos, atua diretamente na política, área que se diz apaixonada!