Esta será a última semana de trabalho integral no Congresso, embora a Constituição Federal determine o início do recesso legislativo a partir do dia 23 dezembro. A semana seguinte está reservada para as deliberações em torno do Orçamento de 2020. Como de praxe, às vésperas do encerramento das atividades há pressões para a votação de matérias. A previsão, porém, é de que pouca coisa, de fato, avance no apagar das luzes.

Na Câmara, a tendência é que os deputados votem o novo marco legal do Saneamento Básico (PL nº 3.261/19), uma das prioridades do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) antes do recesso parlamentar. Na semana passada, não houve acordo em torno do texto a ser votado. Mas, segundo Maia, haverá convergência para votação.

A conclusão da votação do PLP nº 461/17, que altera as regras de cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS), também é prioritária. A matéria teve seu texto-base aprovado na semana passada e está pendente da votação dos destaques apresentados.

Ambos os projetos não se submetem ao sobrestamento das votações por medidas provisórias.

Há duas MPs trancando a pauta da Casa. A primeira é a MP nº 893/19, que transforma o Coaf em Unidade de Inteligência Financeira (UIF) e transfere o órgão para a alçada do Banco Central. Precisa ser votada esta semana, pois perde a validade no dia 18. A outra também está com prazo apertado. Trata-se da MP nº 894/19, que concede pensão vitalícia a crianças com microcefalia em decorrência de zika vírus. Os parlamentares têm até 12 de fevereiro de 2020 para aprová-la. Porém, é preciso ressaltar que o Congresso retoma suas atividades poucos dias antes do vencimento da proposta (2 de fevereiro).

Leia Também:  Reguffe tá quase lá

No Senado, a pauta é um pouco mais enxuta. A matéria com maior probabilidade de votação é a PEC nº 48/19, que permite a doação direta de recursos aos municípios via emenda parlamentar individual. A proposta consta da pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pode ser votada em plenário na sequência, caso haja acordo.

Também na CCJ, o projeto que trata da prisão após condenação em segunda instância (PLS nº 166/19) deve ser aprovado pelo colegiado. Sua votação, porém, é incerta, já que o presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP) fez um acordo para priorizar uma PEC sobre esse tema que está na Câmara.

No âmbito do Congresso, há sessão conjunta convocada para terça-feira (10) destinada à votação dos vetos presidenciais e de 24 projetos de crédito orçamentário (num total de quase R$ 23 bilhões) para viabilizar ações dos ministérios neste fim de ano. Mas ainda não há acordo entre parlamentares e governo para a votação desses créditos. Se até lá não houver entendimento, só os vetos devem ser deliberados.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Simone Leite

Simone Leite atuou como repórter, produtora de TV, assessora de imprensa e editora de notícias. Há 8 anos, atua diretamente na política, área que se diz apaixonada!
Fechar Menu