O votos para não ter CPI da Saúde foram 11 e os 13 votos para a instalação da tão falada CPI. Nesse meio, há um personagem que ficou fora dos holofotes: o presidente da Câmara Legislativa, Rafael Prudente (MDB).

Prudente faz uma presidência discreta, sem firulas e mais nos bastidores. O maior “monstro” da sua gestão foi o “Centrão”, que no começo tinha oitos distritais e agora tem cinco. Dizem que o poder de convencimento de boa parte do G-5 foi decisivo para ter CPI. Lembrando que Jaqueline Silva quem teve o voto de minerva; Sempre foi muito bem articulada com o centrão.

Se for vontade do Palácio do Buriti ter Rafael reconduzido a presidência da CLDF, hoje o deputado teria somente 11 votos já que esse grupo está fechado com o governador. São 13 votos soltos entre oposição e dissidentes.

Leia Também:  Novo nome ao Buriti

Prudente teve o mérito de aprovar a reeleição sem maiores sustos. Uma jogada e tanto. Agora precisa juntar o quebra-cabeça para ter mais dois anos na presidência.

Nessa CPI da Saúde, a peça mais prejudicada foi Rafael Prudente, sem dúvida. Dizer que ele não vai ser reeleito é pura burrice, já que ele sai com a vantagem. Mas o jogo não está fácil em pelo menos, quatro dos seus colegas trabalham para tomar a sua cadeira.

Como sempre digo: cenas dos próximos capítulos…

1 2 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Odir Ribeiro

Odir Ribeiro é jornalista, blogueiro e multimídia que desde 2011 cobre os bastidores da política do DF.