Hoje em dia, um dos segmentos políticos que caiu em descrédito foi o das lideranças comunitárias e esse segmento faz parte da classe política, nem adianta negar. Uma coisa aprendi, principalmente, na minha profissão: quanto menos você se atualiza e não lê cenários, mais você fica em desuso. Vira um cego em um tiroteio.

O mesmo ocorre com as lideranças que, atualmente, estão ficando velhas na questão da idade e também nos seus métodos e conceitos. Não é a toa que a maioria foi devastada nas eleições de 2018, que fez muito político jogar dinheiro fora.  Nos tempos digitais, as redes sociais servem para encurtar as distâncias e para fazer o seu cartaz.

A política é dinâmica e todos sabem quem joga no baixo nível e quem faz um trabalho de verdade.

Os líderes de hoje abrem grupinhos no WhatsApp e ficam trocando farpinhas entre si, falando mal da vida alheia. Nesses grupos, você acha de tudo, menos os problemas e demandas da cidade. Nada! Só se avista briga de egos e gente desqualificada se achando a última bolacha do pacote. Fora os tarados que veem a oportunidade de pular  a cerca. Enfim…

Leia Também:  Frejat e a luta contra o câncer

Tem gente boa por lá? Claro, não podemos ser generalistas, mas no meio de tanta erva daninha, os bons se perdem.

Nesse mundo digital, a maioria das ditas lideranças comunitárias está ultrapassada e não retrata nem as coisas boas e muito menos os problemas da sua cidade. Acho que um líder comunitário serve para isso? Não!

Infelizmente isso empobrece a política em si, o líder comunitário é uma figura importantíssima para o debate político e quando o nível cai, piores representantes elegemos e por aí vai.

Um aviso: se você é líder comunitário e não é nada do que escrevi, não se ofenda com esse texto.

E mais: antes de qualquer comentário, leia o texto com calma e tente entender a mensagem que essas linhas tentam passar.

Até a próxima!

vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dória Freitas
Dória Freitas
11 meses atrás

Parabéns Odir, por expor a realidade! Infelizmente, a maioria ainda, usam de artimanhas ultrapassadas e sujas, usando a Cidade e os problemas para se promover, mas não contribuem com nada, além das tretas. Ainda tem os que usam o projeto para angariar cargos em troca de votos. Vc disse bem, “os que não se enquadram nestas falas, são minoria e até se perdem”.

Sinfronio dos Santos Filho
11 meses atrás

Está certinho, tem lideranças igual a menino dono da bola, se você não aceitar tudo que ele fala e quer, e excluído do grupo que ele criou. E desse jeito aqui na QN-01 do riacho fundo I.

EMICLES NOGUEIRA NOBRE JUNIOR

Odir, minha visão de LIDERANÇA COMUNITÁRIA é simples: Quem é liderança de verdade não precisa dizer nada , geralmente eles fazem e atuam sem propaganda. Liderança de Verdade, faz e realiza pela sua comunidade e não espera por governos e não precisa de seguidores virtuais e de afagos.

Hernan Hernandez
Hernan Hernandez
11 meses atrás

Emicles: discordo em parte. É como aquele ditado, o que a mão esquerda não saiba o que a direita faz. Fazer é coisa nata de liderança, porem, uma andorinha não faz verão e vivemos em comunidade. O homem é um ser gregário por excelência. Para uma liderança concretizar alguma coisa para o bem público, depende dos governantes, ele não vai tirar do bolso dele para fazer o que é preciso. Hoje em dia, seguidores são necessários, que significa o apoio natural, e sem que, obrigatoriamente, o líder seja postulante a cargo político. Por outro lado, queira ou não, tudo é… Read more »

Sanderson
Sanderson
5 meses atrás

Ótimo colocação Odir

Sanderson
Sanderson
5 meses atrás

No grupo que administramos não se aceita esse tipo de coisa. Participe

Odir Ribeiro

Odir Ribeiro é jornalista, blogueiro e multimídia que desde 2011 cobre os bastidores da política do DF.