A deputada distrital Julia Lucy (novo) impetrou um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Distrito Federal para anular a votação do projeto de resolução que inclui ex-deputados distritais e seus dependentes no plano de saúde da Casa de forma vitalícia. Até então, eles só eram cobertos pelo convênio por dois anos após o fim do mandato.

O Fundo de Assistência à Saúde da CLDF (Fascal) tem hoje cerca de 5,3 mil beneficiários. São deputados, servidores e ex-funcionários comissionados. Eles pagam cota mensal de R$ 38 a R$744 a depender da idade e remuneração. Já os ex-distritais, vão pagar obrigatoriamente o valor máximo.

O custo do plano de saúde, no entanto, é complementado com recursos públicos. Desde 2018, sem o alcance aos ex-deputados, a Câmara Legislativa gastou R$ 34 milhões com o benefício.

De acordo com o texto aprovado, para ter acesso ao plano de saúde após o desligamento da CLDF, os beneficiários devem ter, no mínimo, dois anos de contribuição, além de solicitar a permanência no convênio em até 30 dias após a exoneração. Ex-comissionados poderão ficar no plano por um ano.

Projeto altera custeio

A emenda faz parte de projeto que atualiza o custeio do plano de saúde. O texto amplia os percentuais de contribuição dos beneficiários, que varia de 10% a 50% a depender do serviço. Além disso, cria a possibilidade de protesto das dívidas dos beneficiários. A justificativa apresentada no texto original foi “a necessidade de equilíbrio financeiro do Fundo”.

Leia Também:  O Passarinho voltou

A inclusão dos ex-distritais no plano de saúde consta em emenda assinada pela Mesa da CLDF. Proposta semelhante já tinha sido apresentada pelo vice-presidente da Casa, Rodrigo Delmasso (Republicanos), em fevereiro. Mas, após repercussão negativa, o projeto não chegou a ser votado.

Quem são os dependentes?

Os ex-deputados distritais não poderão cadastrar pai e mãe como dependentes, ao contrário dos parlamentares em exercício. As demais regras são iguais. Incluindo:

  • – Cônjuge ou companheiro (a) com união estável por, pelo menos, seis meses.
  • – Irmão, se portador de invalidez, sob responsabilidade judicial do beneficiário titular do plano
  • – Filhos e enteados, nos seguintes termos:

– Até 21 anos de idade são considerados dependentes
– Até 39 anos incompletos podem ser inclusos se estiverem solteiros e com renda de até cinco salários mínimos
– Com mais de 21 anos se foram portadores de invalidez, constatada por perícia
– Na faixa de 21 a 24 anos se não tiverem renda e estarem matriculados em cursos regulares reconhecidos pelo Ministério da Educação.

Lucy reage

Júlia Lucy votou pelo sim, mas divulgou uma nota afirmando que vai pedir a alteração do seu voto, pois “a votação ocorreu em total desconformidade com o regimento”, sem respeitar prazos para apresentação de emendas.

“O objetivo do projeto original era reajustar o valor das mensalidades para que o plano não tenha déficit. A deputada é favorável a esse ponto. A emenda que incluiu ex-parlamentares no plano não estava no projeto original e sequer constava no sistema para visualização dos parlamentares”, informou sua assessoria.

A CLDF, entretanto, disse que as atualizações do plano de saúde trazem “reequilíbrio financeiro”.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Simone Leite

Simone Leite atuou como repórter, produtora de TV, assessora de imprensa e editora de notícias. Há 8 anos, atua diretamente na política, área que se diz apaixonada!