As investigações da Operação Circus Máximo apontam que o tesoureiro da campanha de Rodrigo Rollemberg, Ricardo Leal, recebeu propina de R$ 250 mil. As informações são do O Antagonista.

A operação atingiu ex-diretores do BRB (entenda aqui).

Segundo o Ministério Público Federal, em 2015 Leal passou a integrar o Conselho de Administração do BRB e tinha influência para garantir operações financeiras irregulares no banco.

O órgão diz que ele recebeu R$ 100 mil em espécie para saldar dívidas da campanha de 2014.

Leia Também:  Alírio convida desafeto de Rollemberg para o PTB

Em troca da propina, Leal ajudou a liberar R$ 3 milhões de um fundo de pensão dos servidores de Santos para o fundo criado para construir o Trump Hotel na Barra da Tijuca, no Rio, mais tarde nomeado como LSH Lifestyle.

Rollemberg já negou que Ricardo Leal teria sido tesoureiro de sua campanha.

vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nogueira
Nogueira
1 ano atrás

Tem que privatizar esse banco que não ajuda ninguém ! Só tem problemas.

Ney Jackson Beserra
Ney Jackson Beserra
1 ano atrás
Reply to  Nogueira

Discordo. O RORIZ deixou esse banco no final de 1994 dando lucro e financiando o desenvolvimento de BRASÍLIA. no final do famigerado desgoverno dos PTralhas$$$$$ LADRÕES genuinamente corru PTos$$$$$$ & incomPTentes$$$$$$. O RORIZ ganhou a eleição e em 01/01/1998 tomou posse encontrando o BRB no vermelho até no nome. terminando seus 2 governos consecutivos como o ÚNICO E MELHOR banco comercial e estadual que não fora vendido por motivos de falência. O BRB da lucro .não pode é deixar os LADRÕES no comando !!!

ED SANDY COELHO COSTA
1 ano atrás
Reply to  Nogueira

CEB, CAESB, BRB, TCB, TERRACAP, entre outras empresas públicas.

Ronaldo
Ronaldo
1 ano atrás

Vergonha viu!!!

Odir Ribeiro

Odir Ribeiro é jornalista, blogueiro e multimídia que desde 2011 cobre os bastidores da política do DF.